quarta-feira, 22 de março de 2017



Mussorgsky Pictures at an Exhibition Mikhail Pletnev



Viktor Hartmann, arquiteto e pintor, grande amigo de Mussorgsky, faleceu cedo, aos 39 anos de idade (1873) . Em março de 1874, fizeram uma exposição dos seus quadros numa galeria de São Petersburgo. Depois de a visitar, Mussorgsky escolheu dez dos quadros expostos e compôs uma música para cada um deles, numa homenagem ao amigo. . Uniu através de um tema comum (“Promenade”) as várias partes da peça.
Em suma, Quadros de uma Exposição descreve através da música, um passeio por uma exposição de quadros, tendo os temas como guia.
estou a ouvir.....






 ..

FEMININO


São as ninfas
são as musas
as mulheres com o seu riso
As Dríades e as Nereides
Crineias nas suas fontes
e as mulheres despertando
Dentro do próprio sumiço
São as deusas, as sereias
enfeitiçando o cantar
as mulheres tecendo as teias
Penélope Euterpe Eurídice
de meiga pele ambarina
as mulheres correndo em busca
Na sua pressa felina
São sibilas, amazonas
profetisas, feiticeiras
as mulheres querendo voar
Com os espíritos femininos
valquírias de espada honrosa
de mulheres ousando o risco
Com alegria nervosa
São sílfides com voz de vento
são as ondinas nadando
seguindo a rota dos rios
As salamandras ardendo
de si mesmas sequiosas
Morgana com os seus filtros
De invenção harmoniosa
São adivinhas da água
sufragistas, feministas
na haste do pensamento
Renascendo com vagares
à sombra da própria seda
na chama rubra da tenda
São as mulheres do meu tempo
Mudando a eternidade
e a vida em seu sustento
sem jamais cicatrizarem
Os séculos de esquecimento

Maria Teresa Horta
In «Poemas do Brasil», 2009, Editora Brasiliense, S. Paulo (livro inédito em Portugal).

..

Andar para trás


Suspensas nas nuvens

África do Sul nas montanhas da Cidade do Cabo. 1959


        Enquanto os mais afoitos se fizeram á montanha da Mesa de teleférico, preferi o deslumbramento da magnífica paisagem da encosta e  praia da Cidade do Cabo.


..

quinta-feira, 16 de março de 2017

Servir frio


e chorar por mais...


 

Passo a explicar:

6 figos descascados cortados ao meio;
3 fatias de presunto fino;
1 colher de pinhões;
1 limão em sumo onde se dissolveu uma colher de sopa de mel.
Trata-se de uma entrada. Servir frio (e chorar por mais)
Demora 1/4 de hora a fazer.
(pode ser melhorado com umas farripas de chèvre)

receita oriunda de

 Luís Novaes Tito


..

Fauvistas



Esta manhã ouvi falar de Fauvistas. Os artistas "feras". Cores puras, excessivas, provocantes!


 Maurice de Vlaminck



Andre Derain
 


Matisse
 
 Mulher com chapeú


..

domingo, 12 de março de 2017

Numa Folha, Leve e Livre







Quero dormir na água das palavras
que amam o silêncio
e a lentidão da luz
que é o fulgor de uma evidência indecifrável

Quero ser a concha do ingénuo sossego
de uma flor branca
como o monótono murmúrio
de uma respiração solar

Quero ser o ouvido de veludo
de um insecto azul
e quero beber a linfa do olvido
numa boca de argila
para sentir a monotonia ardente
da garganta da terra


 António Ramos Rosa, Numa Folha, Leve e Livre (2013)
Fotografia de Manuel João Ferreira Múrias

.

segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

Natal 2016

A árvore de Natal na Praça do Município no Porto



Não gosto mesmo desta árvore!.
Cresci com Natais onde a família se reunia a comer coisas boas, em despiques de receitas de avós, a cantar e tocar cânticos da época, a recitar, a contar anedotas que arrancavam gargalhadas frescas e saborosas, a jogar à bisca a pinhões, e tudo se passava dentro de casa na proximidade da lareira. 
Necessariamente que a ceia de Natal da Morgadinha do Júlio Diniz era recordada  para credibilizar a ideia que, naquela noite, todos se obrigavam a trabalhar na cozinha, tal como o Conselheiro fazia. 
Tinha uma Tia Avó que se reconfortava a dizer que nesse dia todos tinham comida e agasalho. Lá na aldeia seria assim! O mundo circunscrevia-se ao perímetro da área das nossas influências!
Os sapatos eram deixados à volta da lareira da cozinha, porque era por essa chaminé que para uns, o Menino Jesus, para outros o Pai Natal, desceriam com o saco das prendas. Era uma prenda para cada um e mais nada!
Este folclore S. Joanino que o Porto tem vindo a adoptar não é de todo o meu Natal!
 Natal 2016

.