sábado, 19 de janeiro de 2019

Eugénio de Andrade






Eugénio de Andrade-19 Jan 1923 // 13 Jun 2005

Escreveu os  primeiros poemas em 1936, e em 1940, publicou o seu primeiro livro Narciso, por aconselhamento de António Botto.
Tornou-se funcionário público em 1947, exercendo durante 35 anos as funções de Inspector Administrativo do Ministério da Saúde. É neste período que o conheço pessoalmente. De seu nome Fontinha,  não era "flor que se cheirasse". No meu entender tinha exigências desnecessárias e algumas vezes a despropósito. Tive mesmo numa  ocasião de usar de  autoridade e pô-lo fora do meu consultório. Contudo, nada disto foi motivo que o afastasse ou impedisse de me "pedir boleia", algumas vezes. Estávamos a 15Km do Porto e ele aparecia de auto-carro.
Tinha uma conversa interessante, o que me fez  pensar  estar perante uma pessoa com  grande sensibilidade poética e que nada tinha a ver com a profissão que exercia: mas não o conhecia como poeta.
Depois, foi o Eugénio de Andrade, que  apesar do seu enorme prestígio nacional e internacional,  sempre viveu distanciado do bulício da vida social, literária ou mundana. Justificava as suas raras aparições públicas com «essa debilidade do coração que é a amizade».
A sua última residência foi a extinta e malograda FUNDAÇÃO EUGÉNIO DE ANDRADE na Foz do Douro .
Encontra-se sepultado no Cemitério do Prado do Repouso, no Porto, numa campa rasa de mármore branco onde constam os versos da sua obra As Mãos e os Frutos, da autoria de Sisa Vieira.

Até Amanhã
Sei agora como nasceu a alegria,
como nasce o vento entre barcos de papel,
como nasce a água ou o amor
quando a juventude não é uma lágrima.

É primeiro só um rumor de espuma
à roda do corpo que desperta,
sílaba espessa, beijo acumulado,
amanhecer de pássaros no sangue.
É subitamente um grito,
um grito apertado nos dentes,
galope de cavalos num horizonte
onde o mar é diurno e sem palavras.
Falei de tudo quanto amei.
De coisas que te dou
para que tu as ames comigo:
a juventude, o vento e as areias.
E.A.

.

quarta-feira, 9 de janeiro de 2019

Recital de piano na Casa da Música


        Ontem estreei-me como assinante na CM. Continuo na Gulbenkian, enquanto puder, noutras áreas; naquelas que nunca vêm ao Porto😃
Mas ontem, foi um recital soberbo! Nuno Ventura de Sousa, jovem pianista portuense, tem um curriculum de fazer inveja e ontem, confirmou-o. Entusiasmei-me, sobretudo, na Sonata "Vento da Noite" de Nicolai Medtner. Uma segurança e interpretação que para mim foi perfeita!
Da Sonata de Schubert, não posso dizer o mesmo. É que nos meus ouvidos soa Brendell e será muito difícil destroná-lo ou tão pouco igualar.
Mas os aplausos , na CM, são uma pecha! Não se grita, não se berra, não se bate com os pés........são umas palmas cerimoniosas que ao fim de poucos minutos estão cansadas!
Assim é tristonho.



.

sábado, 5 de janeiro de 2019

6 de Janeiro



Os Parabéns da Sofia no dia em que faz anos

são uma recordação muito feliz, em Vale Maior - Rates, numa de muitas tardes onde

íamos merendar em jeito de pic-nic.




.

5 de Janeiro



Os Parabéns da Paula,

no dia em que faz Anos, são uma recordação muito terna, ao colo da minha Mãe, no

regresso de Angola em Setembro de 1964. O lugar é o alpendre da casa da praça, em

Rates




..

quarta-feira, 7 de novembro de 2018

Camus



No dia em que Camus fazia anos





        Camus faria hoje anos!
Escritor da minha juventude, não era fácil, se não impossível, adquirir os livros dele no tempo da ditadura. Daí que na minha primeira ida a Paris, Maio de 1960,  fui à procura deles! E um dos que comprei foi o Estranjeiro. Camus tinha morrido num acidete de viação em Janeiro desse ano E
Sartre, sobre o "ESTRANGEIRO", disse:(...)

"O estrangeiro que ele quer pintar é justamente um desses terríveis inocentes que constituem o escândalo de uma sociedade porque lhe não aceitam as regras do jogo. Vive entre os estrangeiros, mas para eles é também um estrangeiro. Por isso alguns hão-de amá-lo, como Maria, sua amante, que lhe dá importância " porque é bizarro"; e outras detestá-lo-ão por isso, como aquela multidão do tribunal, cujo ódio ele sente de súbito subir contra si. E nós próprios que, abrindo o livro, ainda não estamos familiarizados com o sentimento do absurdo, procuraríamos em vão julgá-lo segundo as nossas normas habituais: ele é um estrangeiro também para nós. Desse modo, o choque que o leitor sentiu ao abrir o livro, quando leu: "Pensei que passara mais um domingo, que a Mãe já fora a enterrar, que ia regressar ao meu trabalho e que, no fim de contas, continuava tudo na mesma", era voluntário: é o resultado do primeiro encontro do leitor com o absurdo. Mas o leitor esperava talvez que, levando por diante a leitura da obra, veria dissipar-se o seu mal estar, que tudo ficaria a pouco e pouco esclarecido, baseado em razão, explicado. A sua esperança ficou desiludida: O Estrangeiro não é um livro que explica: o homem absurdo não explica, descreve; não é também um livro que prove. Camus sòmente propõe e não se inquieta com justificar o que, por princípio, é injustificável. (...)
.

terça-feira, 6 de novembro de 2018

No dia em que Sophia fazia anos

      6 de Novembro   


O MAR DOS MEUS OLHOS
 
Há mulheres que trazem o mar nos olhos
Não pela cor
Mas pela vastidão da alma
E trazem a poesia nos dedos e nos sorrisos
Ficam para além do tempo
Como se a maré nunca as levasse
Da praia onde foram felizes
Há mulheres que trazem o mar nos olhos
pela grandeza da imensidão da alma
pelo infinito modo como abarcam as coisas e os homens…
Há mulheres que são maré em noites de tardes…
e calma


Sophia de Mello Breyner Anderson
.

quinta-feira, 1 de novembro de 2018

2 de Novembro


Homenagem

Uma recordação, em forma de homenagem,  no dia em que o meu Pai fazia anos!
Foi e continua a ser a referência e a força. Mas falta a conversa descontraída, séria, optimista, oportuna, visionária, divertida e a saborosa gargalhada!

.